segunda-feira, 1 de maio de 2017

[Resumo] Arouca 2 - 2 Moreirense

Petit: «Demos 45 minutos de avanço ao Arouca»


Petit, treinador do Moreirense, depois da igualdade a duas bolas em Arouca:

«Vínhamos à procura de um resultado diferente. Demos 45 minutos de avanço, duas entregas nossas, dois golos do Arouca. Na segunda parte tivemos uma postura completamente diferente. Retificámos, corrigimos e acabámos por ser a única equipa que quis ganhar.

A nossa imagem tem de ser a da segunda parte e não a da primeira. Agora, temos um jogo com o Braga na sexta-feira, temos de aproveitar as coisas boas do segundo tempo de hoje.

(O que mudou ao intervalo?) Mentalidade, mudar o chip. Fomos uma equipa mais forte, mais coesa. Na primeira parte, quisemos jogar no pé e o Arouca aproveitou para sair bem nas transições. Conseguimos ao intervalo retificar aquilo que estava menos bem. Depois desta primeira parte estar a perder por 2-0, é claro que este ponto satisfaz. Aquilo que fizemos na segunda parte, com grande qualidade e intensidade… esta é a mentalidade que nos vai permitir mantermo-nos na I Liga».

in "http://www.maisfutebol.iol.pt/moreirense/liga/petit-demos-45-minutos-de-avanco-ao-arouca"

Arouca-Moreirense, 2-2 (destaques)


FIGURA: Boateng

Início de segunda parte absolutamente soberbo, arrasador, emprestando dinamismo e eficácia ao eixo do ataque moreirense. No primeiro tempo, não esteve a um nível brilhante mas com a entrada do companheiro de ataque Sougou pareceu também ter ganho outra vida (e outra liberdade).

MOMENTO: golo madrugador vira a história do encontro

O início de segunda parte do Moreirense não podia ter sido melhor. A equipa entrou com outro dinamismo, depois de uma primeira parte pouco conseguida em termos ofensivos. Petit lançou Sougou ao intervalo e este lançou Boateng e a equipa para uma recuperação extraordinária. O golo logo a abrir foi o impulso que a equipa necessitava e teve claramente dedo de treinador.

OUTROS DESTAQUES

Sougou

Entrou apenas para os segundos 45 minutos, mas foi o suficiente para se revelar determinante. A sua velocidade, dinamismo e criatividade trouxeram outra aura ao futebol de ataque dos cónegos. Assistiu Boateng para o 2-1 e acabou substituído por lesão, mas foi um dos nomes fortes da segunda parte.

Nildo

Outro dos elementos do Moreirense que subiu consideravelmente de forma depois do intervalo. Enérgico, móvel e sempre com boa visão de jogo, lançou Boateng para o 2-2, isto depois de já ter tido uma boa ocasião para faturar, na cobrança de um livre direto.

Sinan Bolat

Nada podia fazer nos golos sofridos e foi ainda decisivo em duas situações, numa bola parada de Neto no primeiro tempo e num remate de Dramé, praticamente isolado perante o guardião turco do Arouca.

Crivellaro

Pode não revelar grande predisposição para o trabalho defensivo, mas destaca-se pelo fino recorte técnico, capacidade de passe e de remate. Apontou o segundo tento arouquense com grande classe, depois de uma bela jogada coletiva.

Tomané

O homem que abriu a lata. Aproveitou uma oferta de um adversário, correu até à baliza de Makaridze e bateu sem apelo nem agravo o guarda-redes georgiano. De resto, mais uma partida esforçada, nem sempre com o maior esclarecimento.

in "http://www.maisfutebol.iol.pt/liga/boateng/arouca-moreirense-2-2-destaques"

Arouca-Moreirense, 2-2 (crónica)


Numa ânsia desmedida pela fuga imediata aos lugares mais próximos da linha de água, Arouca e Moreirense empataram a dois golos, num jogo que se pode dizer que teve uma parte para cada uma das equipas.

No arranque da partida, começaram por ser protagonistas os cónegos, com o trio de setas na frente de ataque a ameaçar agitar com a defensiva arouquense.

O Arouca foi procurando a resposta, pegando mais na bola, através das iniciativas de Artur ou Nuno Valente. Porém, a primeira real ocasião de perigo surgiu na baliza de Sinan Bolat, com o turco a travar de maneira sensacional um remate potente de Neto.

O jogo foi sendo influenciado pelos fortes vento e chuva que assolaram a zona da Serra da Freita este domingo e também os jogadores pareceram sentir as condições climatéricas adversas, com Dramé a errar de forma clamorosa um passe, isolando Tomané, que correu um descampado até se encontrar no cara a cara com o georgiano Makaridze e atirar para o fundo das redes minhotas.

Estava inaugurado o marcador, num momento no qual o jogo atravessava uma fase mais morna e equilibrada.

Nos últimos cinco minutos do primeiro tempo, o Arouca, não satisfeito com a vantagem mínima, voltou à carga. Anderson Luís ameaçou de fora da área e, pouco depois, na sequência de um cruzamento com conta, peso e medida de Mateus, Crivellaro apareceu a desviar para o segundo da tarde.

O apito para o intervalo de Artur Soares Dias, logo de seguida, soava a música dos deuses para a equipa de Jorge Leitão.

O cenário aprazível para os donos da casa à saída para os balneários mudou de forma radical após o período de descanso. Petit decidiu lançar o veloz e experiente Sougou (para o lugar do ineficiente Bouba Saré) e o senegalês logo abanou com a partida, assistindo Boateng para o primeiro dos cónegos.

Estava lançado o mote para uma segunda parte de superioridade forasteira...

O Moreirense assenhorou-se da partida, passando a ganhar mais segundas bolas e a aproveitar uma certa apatia dos arouquenses no momento da perda da bola.

Não tardou portanto o golo da igualdade, novamente por Boateng, num movimento individual notável do ganês, concluído com um remate preciso, fora do alcance de Sinan Bolat.

Foi a cereja no topo do bolo de um arranque de segundo tempo a alta velocidade.

Daí para a frente, os cónegos mantiveram a superioridade sobre o rival e podiam ter chegado ao golo da reviravolta, mas Bolat tapou com notável destreza um remate colocado de Dramé.

No final, igualdade justificada, num encontro no qual a equipa da casa esteve um pouco melhor nos primeiros 45 minutos, tendo o adversário respondido com contundência após o descanso.

in "http://www.maisfutebol.iol.pt/resultado-final/resultado/arouca-moreirense-2-2-cronica"

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Na liga portuguesa a verdade merece castigo...

O Moreirense foi presenciado pela liga com uma multa pelos adeptos nas suas bancadas tirem chamado ladrão a um ladrão. 
O senhor Hugo Miguel e a sua equipa vinham com a lição estudada e com as costas bem quentes, foi claramente uma arbitragem de encomenda e a prova é que até nos relatórios dos delegados da LIGA da VERGONHA está isso presente. Num país livre, chamar ladrão a alguém que está a roubar, é crime....

Qual será o castigo aplicado ao Sr. Hugo Miguel e à sua equipa de arbitragem? Que para além de ter anulado mal o golo, foi o 4 árbitro que marcou o fora de jogo. Ora, para um quarto arbitro marcar um fora de jogo junta à baliza do adversário, ou tem super poderes ou recorreu a imagens da televisão. JÁ EXISTE O VIDEO ARBITRO? a verdade é que mesmo a ver pelas imagens da televisão, na câmara junto ao seu banco, o Sr. arbitro analisou mal o lance. 

Liga Portuguesa de Futebol, qual é o castigo para a equipa de arbitragem?