terça-feira, 27 de novembro de 2012

Moreirense-Sporting, 2-2 (crónica)


Pior do que começar mal é não começar. Ficar preso em ponto morto, os pneus a patinar e os outros a ir embora. O passo em Moreira de Cónegos, trémulo mas em frente, pode significar isto mesmo. Um arranque lento, tardio, cheio de dúvidas, mas ainda assim um arranque.

É indiscutível que um empate está longe de corresponder aos anseios e necessidades de um clube gigantesco como é o Sporting. Seria como convir que uma aspirina é capaz de ser a cura para as mais repulsivas doenças que grassam no mundo.

A igualdade terá, porém, uma leitura mais abrangente. Principalmente por ter sido obtida após o Moreirense desperdiçar uma vantagem de dois golos.

Os leões bateram com estrondo no fundo do poço, sustiveram a respiração por vários minutos, chegaram a ser dados como mortos e, num surpreendente reacender de alma, foram buscar um ponto escanzelado, embora capaz de alimentar a esperança, que tão frágil anda.

FICHA DE JOGO e o AO MINUTO

Na classificação geral o resultado não traz efeitos práticos e imediatos. Pode ser um lenitivo interessante, um princípio de recuperação, ou uma mera camuflagem, estilo placebo, ideal para indicar pistas traiçoeiras e ignorar o que realmente interessa.

Seja como for, o jogo de Moreira de Cónegos foi um espetáculo intenso, explosivo, emocionante, cheio de diferentes momentos de domínio e com um final de loucos, esquizofrénico: Carrillo e Rinaudo falharam o terceiro dos leões, Fábio Espinho fez precisamente o mesmo na baliza oposta.

O Moreirense precisava também da vitória e teve-a servida numa bandeja de prata. Por Xandão e restantes compinchas. Sobreviveu a 15/20 minutos bons dos leões, tomou conta da ocorrência e entre os minutos 40 e 45 fez dois golos.

Os Destaques do jogo em Moreira de Cónegos

Pablo Olivera, o uruguaio que infernizou o planeta-Sporting na Taça de Portugal, voltou a marcar e a deixar Rui Patrício de cabelos em pé; Ghilas, logo a seguir, atirou de primeira a bola para a baliza e reacendeu os medos, a vergonha e a irresponsabilidade do Sporting.

Os dois lances refletem as limitações horríveis que esta equipa, agora de Vercauteren, tem a defender. Dois cruzamentos de Paulinho, lateral do Moreirense, duas abordagens incorretas (quase amadoras) e dois golos minhotos. A movimentação de Xandão no segundo, por exemplo, é inacreditável, de tão errada.

O Sporting foi e veio do intervalo vestido de ar fúnebre e olhar de quem vai a enterrar. Rinaudo já jogava em vez do lesionado Schaars, mas pouco mudava. O futebol é, porém, um jogo dado a surpresas e seria precisamente Xandão a fazer de cabeça o primeiro golo dos leões.

O impulso foi bem aproveitado por Eric Dier, que logo a seguir empatou a contenda. O Moreirense descarrilou por minutos, esteve à vista o terceiro do Sporting, mas esta equipa não parece fadada para contos heroicos e relatos de sonho.

O empate haveria mesmo de subsistir até ao fim e o ponto não serve de muito para os dois lados. O Moreirense não ganha desde agosto, os leões fizeram-no por uma vez nos últimos dez jogos.

O inferno tem de ser isto: chamares-te Sporting e o teu nome servir-te de pouco, apesar do passo em frente no Minho. Trémulo e vagaroso.

in "http://www.maisfutebol.iol.pt/sporting/sporting-moreirense-cronica/1396522-1457.html"