segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Moreirense vs Paços de Ferreira - Análise


A falta de confiança da equipa é nitidamente o principal factor para esta crise, quem não marca sofre e isso viu-se tanto na primeira como na segunda-parte. O Moreirense até que entrou bem, a criar situações mas a não concretizar. O Paços ia la a frente e marcava, com alguma sorte à mistura, mas principalmente muita aselhice da defensiva, a sorte procura-se e faz-se por merecer, e sem dúvida que nós não temos sido audazes o suficiente para merecer essa sorte. Erros infantis ditaram e têm ditado o nosso destino. Erros inadmissíveis numa equipa profissional, causas para isso não sei, mas tem que se apurar responsabilidades. Pediram-se reforços alguns até já se estrearam e bem, podiam trazer uma nova confiança e um novo espirito de conquista à equipa, mas ficaram no banco, o treinador apresentou um onze desmotivado e a jogar sobre brasas, era muito difícil decidir bem na altura certa. Os reforços viriam trazer mais sentido de decisão, visto que estariam a jogar com a cabeça mais limpa que os companheiros. O Moreirense não marcou e sofreu golos anedóticos, que se não houvessem imagens ninguém acreditaria. O primeiro golo o guarda-redes demorou uma eternidade a levantar-se e a bola acabou por entrar entre o poste o guarda-redes, isto numa equipa que treina todos os dias, as vezes duas vezes por dia, torna-se inaceitável. O segundo golo é o máximo castigo à nossa falta de finalização, um remate que iria para muito longe da baliza, tabelou num jogador e acabou por entrar caprichosamente na baliza, é difícil de acreditar mas é verdade. Com todas estas contrariedades, somando ainda o péssimo campeonato da equipa, era muito difícil os jogadores levantarem-se de tudo aquilo, tinham que ir buscar forças onde era impossível chegar, até é compreensível, mas a sorte não aparece por acaso, é preciso trabalhar muito para a ter, e aparentemente a equipa não tem trabalhado o suficiente para a conseguir.

Mesmo assim a equipa até entrou bem na segunda parte, a encostar o adversário às cordas, a falhar golos incríveis que não se podem falhar. Lá atrás na defesa, mudança de esquema, o treinador arriscou tudo, Anilton lesionou-se e o técnico aproveitou para montar um esquema com três defesas, adaptando Vinicius a central. Como era previsível foi muito fácil ao adversário aumentar a vantagem. No contra-ataque o Paços de Ferreira matou o jogo, sem forçar muito, jogando com tranquilidade, pois tinha tudo a seu favor, e mais uma vez a aproveitar clamorosos erros individuais dos defesas e do guarda-redes. O adversário facilmente rodava a bola entre si, perante a impotência da equipa de lhes roubar a bola. Com toda a naturalidade o Moreirense sofreu mais três golos, e podiam ser mais, não fosse o relaxe do adversário.

Resumindo a equipa precisa de motivação, se os resultados não trazem motivação, alguma coisa tem de trazer. Embora para muitos o principal culpado não seja o treinador, acho que o seu ciclo chegou ao fim. Evidentemente não vai resolver tudo, provavelmente vai resolver muito pouco, mas o momento exige motivação imediata, e só com sangue novo, ideias novas e métodos novos a motivação pode surgir. Estamos todos muito agradecidos ao treinador por tudo o que ele já conquistou, mas chegou a hora, é preciso mudar para tentar sobreviver, não há mais condições em todos os aspectos para continuar, foi bom enquanto durou, mas neste momento valores mais altos se levantam e tem de se começar a mudança pelo técnico.