quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

TL:Olhanense-Moreirense, 0-0 (crónica)


TL:Olhanense-Moreirense, 0-0 (crónica)

Olhanense e Moreirense despediram-se desta edição da Taça da Liga, com um empate sem golos. O guarda-redes Ricardo foi fundamental para evitar a vitória do Moreirense.

A escassez de recursos, apenas onze profissionais, dois dos quais guarda-redes, e o pouco tempo que leva como treinador do Olhanense, dois dias, limitou Manuel Cajuda, que, jogando pelo seguro, deu continuidade ao desenho tático que Sérgio Conceição tinha implementado, o 4x2x3x1.

O Moreirense, em 4x3x3, aproveitou essa falta de recursos do Olhanense e tomou conta do jogo desde o início, obrigando Ricardo a ser o melhor jogador em campo, evitando o golo por diversas ocasiões. Na retina, estão valiosas defesas a finalizações de Rafael Lopes (5) e Júlio César (10 e 31).

Três minutos antes do intervalo, Pintassilgo acertou na barra da baliza algarvia, num cruzamento que desviou em Jander.

O ferro das balizas voltou a ser aliado de Ricardo, num remate de Rafael Lopes (60). A noite era de Ricardo, que até defendeu uma grande penalidade, aos 52 minutos, adivinhando o lado que Wagner escolheu para colocar a bola.

À passagem da meia-hora, Manuel Cajuda foi forçado a fazer duas substituições por via das dificuldades físicas de Abdi e Evandro Brandão, sendo obrigado a lançar mais dois juniores, Pedro Paz e Betinho. Em campo já colocara outro, Rafael, no onze inicial.

Com três juniores em campo, a missão dos algarvios ficou mais complicada e a baliza de Ricardo Fernandes, que já estava distante (o Olhanense só fez dois remates na primeira parte, e antes da saída de Abdi e Brandão), mais longe ficou.

A exceção aconteceu nos últimos minutos, por via do adiantamento dos minhotos, dando espaço aos algarvios. Já com o jogo com o Sporting, domingo, para o campeonato, na mente, aos 56 minutos entrou mais um júnior (Fábio) na equipa algarvia, para poupar Nuno Piloto. E o Olhanense acabou o jogo com quatro juniores em campo!

O Moreirense, conhecendo as debilidades dos algarvios, apertou o assédio à baliza de Ricardo até final e desperdiçou valiosas oportunidades para sair com outro resultado de Olhão. E, para confirmar a história, já em tempo de compensação, Ricardo voltou a ser grande, num remate de Wagner, segurando o empate, com uma vistosa defesa.

in "http://www.maisfutebol.iol.pt/moreirense/olhanense-moreirense-cronica/1408393-1466.html"