domingo, 10 de março de 2013

Moreirense-Olhanense, 1-1 (crónica)


O final do campeonato está a aproximar-se e a reta final promete ser sufocante para as equipas do fundo da tabela.

Moreirense e Olhanense são, neste aspeto, duas das formações mais aflitas.

A equipa minhota sabia que tinha que aproveitar esta partida para poder passar, finalmente, acima da linha de água. O conjunto algarvio, em fase de tensão elevada perante o somatório de maus resultados, não podia dar-se ao luxo de novo deslize.

A forma como o jogo decorreu foi o espelho do estado de espírito dos dois conjuntos. Partida rasgadinha, disputada à pele, com pouco discernimento, mas muito coração.

E o empate, que apareceu mesmo, mesmo sobre o fim, acaba por ser um desfecho justo.

Jogou melhor a equipa da casa durante um período mais largo. Mas é preciso dizer, desde já, que o Moreirense se pôs a ganhar graças a uma grande penalidade muito duvidosa.

Ricardo Pessoa aproveitou para pôr a sua equipa em vantagem e a verdade é que, a partir daí, a formação da casa soube gerir a preciosa vantagem até aos últimos minutos.

Depois do 1-0, foi o Moreirense quem mais e melhor atacou. Pelo menos até meio da segunda parte, as melhores ocasiões pertenceram à equipa de Inácio, que por várias vezes esteve perto de fazer o segundo.

O Olhanense demorou a reagir e chegou a ter fases de alguma descrença. A única exceção vinha dos remates de Targino.

Cajuda mexeu as peças, pôs fogo lá na frente, primeiro com a altura de Leandro, depois com o posicionamento de Thalles. O Olhanense acabou em 4x4x2, mais arrumado, mais ofensivo.

E mereceu, por isso, o empate, obtido por via de um remate inspirado de Lucas Sousa (a bola ainda bateu nos dois postes e entrou).

O Moreirense esteve quase, quase a ganhar um novo fôlego, mas os homens do Minho não conseguiram aguentar a fase mais tensa da partida. Pode ter sido fatal.

in "http://www.maisfutebol.iol.pt/moreirense/moreirense--olhanense-cronica/1427960-1466.html"