domingo, 23 de março de 2014

Moreirense vs Portimonense - Análise

Grande exibição, grande resultado e grande salto do Moreirense. Foi um Moreirense, personalizado, motivado e ambicioso aquele que se apresentou no jogo, assumindo sempre as rédeas do jogo e nunca dando muito espaço ao adversário para fazer o seu jogo. Finalmente voltamos a ver o nosso clube a assumir as despesas do jogo nos jogos em casa, e a não ficar à espera do adversário como tínhamos visto em grande parte dos outros jogos. A equipa está mais móvel, mais concentrada e sobretudo mais empenhada. O Portimonense poucas vezes chegou à baliza de Marafona mas conseguia criar algum perigo sobretudo devido à irreverência de Mazola, o melhor dos visitantes, sempre inconformado e dos poucos a remar contra a maré. No ataque vimos um Arsénio muito mais móvel, mais irreverente e inspirado no um para um, muito boa surpresa. Pires continua um incansável guerreiro que sozinho desgasta qualquer defesa, Wagner está em grande forma, sem dúvida um dos pilares mais fortes do nosso onze. Diogo Cunha, esse tem magia nos pés, quando a bola vai ter com ele tem de se esperar sempre por alguma coisa fora do comum e isso viu-se finalmente neste jogo, tanto no golo como em vários lances de ataque da equipa. Infelizmente um dos que estava a ser dos melhores em campo lesionou-se teve ser substituído, Luís Aurélio estava a encher por completo o campo, lutador, transportava a bola, aparecia em zonas de finalização, estava em todo o lado. Já à algum tempo que não víamos nos jogos em casa um meio campo tão compacto e pressionante como neste jogo, em que não se dava espaços aos adversários. O golo apareceu numa altura em que o Moreirense estava a fazer uma pressão muito forte sobre o Portimonense, e adivinhava-se o golo. Bom envolvimento atacante pela esquerda com grande cruzamento de Arsénio para Pires cabecear para o golo, o mais difícil estava feito, e era uma prova de fogo à equipa para saber como iria reagir a estar em vantagem em casa, coisa que já não acontecia à algum tempo. A verdade é que felizmente a equipa não se acomodou a isso e quis sempre mais.

A segunda parte começou com o Moreirense ligado à corrente, Wagner com uma velocidade vertiginosa criou o pânico na defesa alvi-negra. Primeiro cruzou primorosamente para Pires cabecear para grande defesa do guarda-redes depois foi ele próprio a atirar com estrondo ao poste. O segundo golo surgiu através de mais uma boa jogada de envolvimento atacante com Arsénio a fazer um passe rasteiro atrasado para Diogo Cunha fazer um grande golo, colocação exímia e um gesto técnico de grande qualidade para fazer um golo de belo efeito de fora da área. Já com mais um homem em campo, devido à expulsão por palavras de Vítor Moreno, o Moreirense viu a sua tarefa muito mais facilitada e aumentou a contagem por Arsénio. Rápida jogada de contra-ataque, a bola é conduzida por Pires em que no momento certo passa curto para Arsénio em que já com o guarda-redes em cima, pica a bola por cima do seu corpo e fez assim mais um golo de belo efeito e resolveu de vez o jogo. Provavelmente a vitória mais importante da época por várias razões. Ganhava três pontos a um adversário directo em que os deixa a sete pontos, aproveita o deslize do Penafiel para aumentar a vantagem pontual para eles para quatro pontos, e permite ir lá jogar com mais tranquilidade, e mais importante voltou às vitórias em casa ainda por cima de forma convincente e até por uma vantagem curta por tudo o que foi feito durante o jogo. Assim sendo finalmente temos tudo a nossa favor, a posição na tabela, os resultados dos adversários, as exibições convincentes e a equipa unida para atingir o objectivo. Agora é ir a Penafiel pontuar e fica metade do trabalho feito, só depende de nós e quando assim é tem tudo para dar certo.

Força Moreirense !!