domingo, 19 de outubro de 2014

Taça: Moreirense-Pedras Rubras, 2-1 (crónica)


Uma equipa da I Liga, outra do Campeonato Nacional de Séniores. A diferença de escalões, que na teoria ainda é grande, não se fez sentir em campo. O Pedras Rubras mostrou-se um osso duro de roer para o Moreirense e, só quando o prolongamento parecia inevitável, Cardozo fez o golo que pôs a equipa da casa um pouco mais perto do Jamor.

Após as semanas de chuva, o sol brilhou em Moreira de Cónegos, mas nem por isso conseguiu levar muita gente ao futebol. As poucas centenas de pessoas que estiveram na bancada assistiram a um jogo morno perante uma equipa visitante muito esforçada e uma formação caseira totalmente descaracterizada, dadas as poupanças do treinador Miguel Leal.

Determinado o mostrar que na Taça tudo é possível, o Pedras Rubras entrou mais atacante em jogo. Desde o apito inicial, Amaral, Biscoito e Pedrinho foram tentando furar pela defensiva do Moreirense.

Na baliza, um pouco seguro Gideão ia dando um presente de boas vindas aos visitantes quando, após um remate de Pedrinho, deixou escapar a bola, quase permitindo a recarga de um homem do Pedras Rubras.

Os visitantes insistiam e o Moreirense não conseguia chegar à área adversária, nem parecia muito empenhado sequer em fazê-lo. Só aos 22 minutos, num livre direto batido por Jorge Monteiro, que Freitas tirou com um voo impecável.

O jogo entrou depois numa toada morna, com o meio campo como zona preferencial, até que, quando nada fazia prever, após um cruzamento de Monteiro, Arsénio a apareceu na área e cabeceou para o 1-0. E logo a seguir, num lance que parecia fotocópia, exceptuando do facto de o cruzamento ter sido de Pedro Coronas, podia ter aumentado a vantagem, mas não conseguiu fazer o cabeceamento.

Ainda antes do intervalo, Biscoito teve nos pés o empate. Passou por toda a defesa, fintou Gideão, mas depois segurou demasiado e rematou já sem ângulo.

Tantas vezes o cântaro vai à fonte... e Biscoito tanto tentou, que acabou mesmo por conseguir fazer o empate aos 58 minutos através de um livre direto.

O golo do empate funcionou como um verdadeiro balde de água fria para os homens da casa, e deu ânimo aos visitantes, mas faltavam já as forças para voltarem ao impeto atacante dos primeiros minutos.

O Moreirense vestiu então o fato macaco e tentou, por todos os meios, chegar ao golo, até que, já quando tudo fazia prever o empate, Cardozo, que tinha entrado já na segunda parte, fez o golo da vitória, que permitiu ao Moreirense continuar a sonhar com o Jamor.

in "http://www.maisfutebol.iol.pt/taca-portugal-moreirense-pedras-rubras/5443ef780cf2ecc81852c306.html"