domingo, 25 de janeiro de 2015

Moreirense vs Nacional - Análise

Derrota inaceitável, não podemos perder um jogo desta maneira, muito menos depois de estar a ganhar por duas vezes. Fomos uma equipa descaracterizada, fizemos tudo o que por norma não costumamos fazer, e pagamos caro. Não fomos coesos, não fomos solidários, no fundo não fomos Moreirense, e no fim pagamos bem caro isso. Uma equipa profissional não pode nunca ficar sem um central e passar do oitenta para o oito como aconteceu, o jogador que entra para o seu lugar tem de pelo menos fazer os serviços mínimos, mas isso não aconteceu, e não há mais soluções, ou joga aquele ou adapta-se, portanto contratar é imperial. Em relação ao jogo, o Nacional foi sempre mais racional e pragmático, foi uma equipa matreira e a verdade é que não merecia perder. Depois de o Moreirense ter feito o 2-1 ninguém esperava ainda vir a perder o jogo, mas a falta de coesão e até alguma frescura física foi evidente nos minutos finais. Battaglia foi gigante, marcou um golo candidato quem sabe a golo do ano, trabalhou jogou e fez jogar durante todo o jogo. Temos um ponta de lança inconsequente e que tem de deixar para trás os tiques, a vedeta é a equipa não ele. O golo surgiu através de uma magnífica jogada individual de Battaglia, que fez provavelmente o golo da jornada.
Na segunda parte a equipa entrou desconcentrada e sofreu golo no primeiro minuto, embora a jogada do golo fosse muito bem conseguida. O Nacional com o golo ganhou confiança e cresceu mais, e foi sempre mais perigoso. O Moreirense até conseguiu voltar a marcar, Gerso aproveitou uma bola perdida e rematou forte para a baliza. O mais difícil estaria feito, não fosse o Nacional ter empatado por Rondon. Esse golo é inadmissível, não se pode sofrer um golo daqueles, o Nacional teve tempo de circular a bola, preparar o cruzamento, e pior de tudo Rondon teve tempo e todo o espaço do mundo para marcar, um jogador daqueles não pode ficar assim sem marcação. O terceiro é também ele inadmissível, um jogador não pode correr de um lado ao outro do campo sem marcação, sem que ninguém tente pelo menos fazer falta, e muito menos deixarem que remate à vontade, não pode mas aconteceu. O Battaglia sacou três amarelos ao tentar sair para o contra-ataque, nós não fizemos isso e sofremos, pode ser feio cortar as jogadas mas é eficaz e o importante é a eficácia.

Agora temos quatro jogos, que à semelhança da primeira volta são de extrema dificuldade, por isso era tão importante ganhar hoje, temos de contratar um central urgentemente e alguém para o ataque, ou esperar que Bolívia regresse em força. Vai ser difícil mas vamos lutar com as nossas armas e tentar os melhores resultados em todos os jogos, mas desilusão é a palavra de ordem depois deste jogo.Derrota inaceitável, não podemos perder um jogo desta maneira, muito menos depois de estar a ganhar por duas vezes. Fomos uma equipa descaracterizada, fizemos tudo o que por norma não costumamos fazer, e pagamos caro. Não fomos coesos, não fomos solidários, no fundo não fomos Moreirense, e no fim pagamos bem caro isso. Uma equipa profissional não pode nunca ficar sem um central e passar do oitenta para o oito como aconteceu, o jogador que entra para o seu lugar tem de pelo menos fazer os serviços mínimos, mas isso não aconteceu, e não há mais soluções, ou joga aquele ou adapta-se, portanto contratar é imperial. Em relação ao jogo, o Nacional foi sempre mais racional e pragmático, foi uma equipa matreira e a verdade é que não merecia perder. Depois de o Moreirense ter feito o 2-1 ninguém esperava ainda vir a perder o jogo, mas a falta de coesão e até alguma frescura física foi evidente nos minutos finais. Battaglia foi gigante, marcou um golo candidato quem sabe a golo do ano, trabalhou jogou e fez jogar durante todo o jogo. Temos um ponta de lança inconsequente e que tem de deixar para trás os tiques, a vedeta é a equipa não ele. O golo surgiu através de uma magnífica jogada individual de Battaglia, que fez provavelmente o golo da jornada.

Na segunda parte a equipa entrou desconcentrada e sofreu golo no primeiro minuto, embora a jogada do golo fosse muito bem conseguida. O Nacional com o golo ganhou confiança e cresceu mais, e foi sempre mais perigoso. O Moreirense até conseguiu voltar a marcar, Gerso aproveitou uma bola perdida e rematou forte para a baliza. O mais difícil estaria feito, não fosse o Nacional ter empatado por Rondon. Esse golo é inadmissível, não se pode sofrer um golo daqueles, o Nacional teve tempo de circular a bola, preparar o cruzamento, e pior de tudo Rondon teve tempo e todo o espaço do mundo para marcar, um jogador daqueles não pode ficar assim sem marcação. O terceiro é também ele inadmissível, um jogador não pode correr de um lado ao outro do campo sem marcação, sem que ninguém tente pelo menos fazer falta, e muito menos deixarem que remate à vontade, não pode mas aconteceu. O Battaglia sacou três amarelos ao tentar sair para o contra-ataque, nós não fizemos isso e sofremos, pode ser feio cortar as jogadas mas é eficaz e o importante é a eficácia.

Agora temos quatro jogos, que à semelhança da primeira volta são de extrema dificuldade, por isso era tão importante ganhar hoje, temos de contratar um central urgentemente e alguém para o ataque, ou esperar que Bolívia regresse em força. Vai ser difícil mas vamos lutar com as nossas armas e tentar os melhores resultados em todos os jogos, mas desilusão é a palavra de ordem depois deste jogo.