quinta-feira, 11 de junho de 2015

Miguel Leal em entrevista à rádio Vizela afirma querer “cimentar a permanência”

image

O Moreirense volta ao trabalho a 06 de julho, com a apresentação aos associados marcada para 08 de agosto, diante do Paços de Ferreira. O treinador Miguel Leal assegura que procura nesta altura um “plantel mais equilibrado do que o da época passada”.

RVJornal (RVJ) – De que forma esta a ser preparada a nova temporada?
Miguel Leal (ML) – Nesta altura há muito trabalho, meu não tanto, para mim, porque as coisas já estão alinhavadas e os atletas referenciados. Há pessoas mais atarefadas do que, mas estou sempre informado, para que dentro das soluções previstas, possamos arranjar as melhores.
RVJ – Algumas saídas a registarem-se…
ML – Sim, algumas saídas. Julgo no entanto que o núcleo duro, dentro do que é possível vai manter-se. Esse será um ponto a favor do clube, dentro sobretudo do encurtamento de assimilações de processos e de ideias, mas isso não quer dizer que as coisas sejam mais fáceis que a época passada.
RVJ – Está à espera de uma época mais difícil para o Moreirense?
ML – Acredito que sim. Por isso acho que temos que nos preparar para uma “guerra” mais difícil. É muito bonito a permanência, mas é preciso cimentar, porque a nossa tarefa não vai ser fácil.
RVJ – O plantel está em preparação, satisfeito pela forma como as coisas estão a correr?
ML – Nãos gosto muito de falar em nomes de atletas, porque esta época das transferências e contratações é muito difícil e complicada. A estrutura aponta os nomes que gostaria de ver no clube na próxima temporada, depois cabe ao presidente a última palavra. É ele que negoceia, que fecha os contratos, o que me deixa mais tranquilo, pois sei que faz sempre o melhor para o clube.
RVJ – Tem sabido estar atento, às suas indicações e pedidos?
ML – O treinador quer sempre os melhores, depois entre estes há os que são mais ou menos acessíveis, que estão em primeiro ou em segundo lugar da lista. Julgo que estão a ser feitos todos os possíveis, no sentido de conseguirmos uma estrutura boa e uma equipa que nos dê tranquilidade para o campeonato.
RVJ – Julga que será um plantel mais forte do que o da época passada?
ML – Fundamentalmente quero ter um plantel mais equilibrado. Um plantel com mais soluções e com dois jogadores equilibrados para cada posição. Isto porque se nos acontecer o mesmo que a época passada, lesões ou saídas de jogadores estejamos mais preparados para isso e termos a certeza que as coisas vão ser sempre iguais ao longo da época. Na que terminou tivemos algumas incertezas com a saída de alguns jogadores importantes e eu não quero voltar a passar por isso. Sei que a direção está a fazer um esforço para termos o melhor plantel possível.
RVJ – Está nas suas opões introduzir atletas da formação na pré época, ou no plantel?
ML – Este ano fizemos diferente. Logo após o final do campeonato e para evitar que os jogadores fiquem presos até tomarmos uma decisão antecipamos todos os processos. Estive uma semana a observar os jogadores da formação do clube e outros jogadores que poderão ter interesse para o clube. Já fizemos saber da nossa decisão e neste momento os que não ficam, podem tratar do seu futuro junto de outros clubes. Destaco o bom trabalho do Departamento Juvenil, mas a este nível é cada vez mais difícil essa integração. Recordo que no último jogo da época utilizamos dois jogadores da formação, o que é um claro indicador do nosso interesse e do nosso cuidado, com este assunto.
RVJ – Com que objetivos entrará o Moreirense?
ML – É claramente cimentar a manutenção. Temos que ser capazes de criar uma estrutura que nos faça sentir que estamos seguros e tranquilos na 1ª Liga, por muitos anos. Se for possível que o consigamos fazer ficando a meio da tabela. Se surgir mais alguma coisa cá estaremos para saber aproveita-lo.