sábado, 23 de janeiro de 2016

Moreirense-Estoril, 1-3 (crónica)


Estoril apressado em Moreira de Cónegos. Os Canarinhos entraram a todo o gás no terreno do Moreirense e construiu o triunfo (1-3) logo nos quatro primeiros minutos. Anderson Luís e Diogo Amado adiantaram o conjunto da Linha no marcador, aproveitando a entrada em falso do Moreirense. 
  
A equipa de Moreira de Cónegos ainda reagiu nos descontos do primeiro tempo, mas não teve audácia para conquistar pontos, vendo Felipe Augusto dar a estocada final já no quarto minuto de desconto do segundo tempo. O Moreirense acabou reduzido a dez unidades por expulsão de Danielson. 
  
Raides Canarinhos da esquerda 
  
Com as duas equipas empatadas na tabela classificativa, o encontro ganhou especial interesse. Os Canarinhos entraram pelo Minho dentro a todo o gás colocando-se de forma impensável a vencer por duas bolas a zero logo aos quatro minutos. Apatia do conjunto de Miguel Leal. Os pupilos de Fabiano Soares entraram de forma determinada e através de dois raides da esquerda deixam a defesa do Moreirense mal na fotografia. 
  
Logo aos dois minutos Mano cruzou da esquerda, Mattheus dividiu a bola no coração da área e acabou por desviar para a entrada da área. Do lado direito, o lateral Anderson Luís aproveitou a deixa e atirou a contar para o fundo das redes de Stefanovic. Ainda o Moreirense não se tinha recomposto e já o Estoril fazia novo golo. Desta vez foi Mattheus a desequilibrar na esquerda, cruzando para Diogo Amado cabecear sem oposição para o segundo golo da equipa da Linha. 
  
Se o primeiro tento foi efusivamente festejado pelo técnico Fabiano Soares, o segundo foi ainda mais celebrado pelo timoneiro do Estoril, que em apenas quatro minutos construiu uma vantagem muito confortável para gerir as emoções do encontro. 
  
O Moreirense, que entrou adormecido no encontro, acordou em choque com os dois golos encaixados. Na tentativa de reposta nada saía bem aos Cónegos, que falhavam passes simples, deixavam a bola escapar com extrema facilidade e deixavam Miguel Leal à beira de um ataque de nervos. 
  
O treinador do Moreirense não esperou muito e com pouco mais de meia hora jogada trocou os dois extremos. Os desastrados Iuri Medeiros e Ernest deram os seus lugares a Fati e a Boateng. 
  
Novo fôlego travado pela expulsão de Danielson 
  
Apenas no segundo minuto de compensação o Moreirense deu um ar da sua graça reduzindo a desvantagem por intermédio do inevitável Rafael Martins. Fati ficou com uma bola perdida na área e serviu o ponta de lança brasileiro que atirou em arco de pés esquerdo para a baliza de Kieszek. 
  
Os axadrezados entrara a dormir no encontro, o Estoril parece ter-se contagiado pelo bocejar do adversário e adormeceu com a vantagem de dois golos.  A vencer e com margem de manobra, os pupilos de Fabiano Soares escusavam de se expor à resposta do Moreirense, qua ainda assim foi tímida e quase sempre fruto de iniciativas individuais de Fati e Rafael Martins. 
  
A vinte minutos do final do encontro a reposta dos Cónegos sofreu um duro revés. Danielson acabou expulso por acumulação de amarelos depois de ter dividido a bola de forma aparatosa com Michael. Apesar de muito queixoso, o central viu Fábio Veríssimo admoesta-lo com o cartão vermelho.  
  
A tarefa do Moreirense ficou ainda mais complicada quando Rafael Martins teve de abandonar o relvado claramente em dificuldades físicas, dando o seu lugar a Coronas. O ataque da equipa da casa ficava assim entregue a Coronas, Fati e Boateng. 
  
Um cabeceamento de Boateng ainda obrigou Kieszek a ir ao relvado fazer uma defesa apertada para canto, mas o Moreirense não teve capacidade para mais perante um Estoril que praticamente não esboçou qualquer remate na segunda metade. Depois de os Cónegos pedirem grande penalidade alegando uma pretensa mão na área, acabou por ser o Estoril a dar a estocada final no encontro por intermédio de Felipe Augusto já no quarto minuto dos descontos. 
  
Os três pontos seguem para Amoreira, permitindo assim ao Estoril descolar do Moreirense. O resultado premeia a entrada mais audaz dos Canarinhos em campo, diante de um Moreirense que demorou muito a acordar para responder.