terça-feira, 17 de maio de 2016

Vitor Magalhães: «não há nada a fazer, nem a dizer»


Segundo a Agência Lusa, que cita fonte ligada a um dos processos, foi ainda discutido um caso que envolve o Moreirense, mas que remonta a 2012. À saída da reunião, o presidente da Liga, Pedro Proença, questionado sobre essa questão, disse não saber do que se tratava, tendo uma assessora jurídica esclarecido que se trata de um caso antigo que a Liga está a acompanhar.

Em causa está uma acusação do Ministério Público de que o clube minhoto terá aliciado jogadores da Naval 1º de Maio, num jogo decorrido a 29 de abril de 2012, que terminou com triunfo do Moreirense por 2-1.

O caso foi arquivado em 2013 pelo Conselho de Disciplina da FPF, depois de ouvidos os intervenientes, mas continua a correr na Justiça civil.

Contactado pelo Maisfutebol, o presidente do Moreirense, Vítor Magalhães, estranha que o nome do clube tenha sido trazido à baila nesta altura. «Fomos todos ouvidos na altura e o Moreirense foi absolvido, tendo ficado resolvido a nível desportivo. Há um processo que está a correr em tribunal desde então, mas em relação a isso não há nenhuma novidade agora».

«Nós queremos que o caso fique resolvido, mas temos que dar tempo à Justiça para o fazer», frisou, dizendo que, até lá, «não há nada a fazer, nem a dizer».

in "http://www.maisfutebol.iol.pt/jogo-duplo/moreirense/liga-debate-corrupcao-e-pressupostos-financeiros"