domingo, 6 de novembro de 2016

Moreirense-V. Setúbal, 1-2 (destaques)


FIGURA: João Amaral

Aposta para marcar por parte de José Couceiro. Lançado do banco de suplentes, o atacante de 25 anos apontou o segundo golo da época, dando o triunfo aos sadinos. Em boa posição no lado esquerdo, teve frieza para bater Makaridze com um remate colocado. Pouco tempo em campo, sem grande influência no jogo jogado, mas de capital importância no resultado.

MENÇÃO HONROSA: Podence

Muito irrequieto, o extremo de 21 anos cedido pelo Sporting ao Moreirense destacou-se num jogo de encaixe tático, fazendo prevalecer a sua mobilidade para queimar linhas ao romper por entre os setores sadinos. Foi dos seus pés que saíram a maioria dos lances de maior arrojo do Moreirense. Fez o passe para Boateng abrir o ativo aos setenta minutos.

MOMENTO: golo e expulsão de Boateng (m70)

Momento insólito, surreal. Aposta de Pepa ao intervalo, Boateng marcou pelo segundo jogo consecutivo. «My time is now» mostrou o ganês nos festejos numa camisola que tinha por baixo da indumentária de jogo, assumindo que este é o seu momento. Esqueceu-se é que já tinha amarelo e ao festejar efusivamente sem camisola viu a segunda cartolina amarela, acabando por ser expulso. Aquele instante tinha tudo para ser o momento do Moreirense, mas ao ficar em inferioridade numérica tudo se complicou para o conjunto de Pepa.

OUTROS DESTAQUES

Diego Galo

Teve pontaria a mais o defesa do Moreirense, enviando duas bolas ao ferro na sequência de bolas paradas. Boa prestação defensiva, deu nas vistas ofensivamente, teve azar no capítulo da finalização.

Fábio Pacheco

Um pêndulo no miolo, o capitão sadino foi um dos elementos mais importantes na manobra da equipa montada por José Couceiro. Importante com bola e na ocupação dos espaços, foi o primeiro elo na construção e jogo e também o primeiro tampão à frente da defesa.

Rebocho

Esteve muito interventivo na movimentação ofensiva do Moreirense. Cruzou para o cabeceamento à trave de Diego Galo, rematou a escassos centímetros do travessão no final da primeira parte e obrigou Bruno Varela a sacudir com os punhos um canto muito chegado à baliza aos 60 minutos. Prestação irreverente.

André Claro

A meias com André Micael, o atacante não deixou que o V. Setúbal sentisse a desvantagem e igualou quase de imediato. Exibição esforçada, sem grande oportunidade para brilhar, mas com pragmatismo na hora certa.

in "http://www.maisfutebol.iol.pt/liga/vitoria-setubal/moreirense-v-setubal-1-2-destaques"